Porto Quinta de La Rosa Vintage 2016 75cl

55,50

O Vintage 2016 é um vinho que apesar do seu elevado potencial de envelhecimento pode ser apreciado enquanto jovem. Pode ser consumido como digestivo com queijo ou chocolate, ou ser apreciado sem qualquer acompanhamento. Lembre-se de decantar o Porto antes de beber. O  vinho não é filtrado e pode criar depósito ao fim de alguns anos.
Opaco de cor. Aroma muito rico chocolate preto, ginja, fruta bem madura mas também com frescura conferida por aromas florais e a esteva.
O Quinta de la rosa vintage 2016 é um vinho potente mas elegante, generoso na boca, cheio de sabores, muito complexo e com taninos muito finos que lhe conferem persistência e nobreza. Um grande vintage feito para dar prazer agora e durante as próximas décadas.

Categorias: ,

A Quinta de la Rosa faz parte da família Bergqvist desde 1906, embora exerça atividades de expedição portuária sob o nome de família Feueheerd, desde 1815. Atualmente, possui cerca de 55 hectares de vinha e produz cerca de 80.000 litros de porto e 300.000 litros de vinho de mesa a cada ano.

A Quinta de la Rosa foi dada como presente de batismo para Claire Feueheerd, avó de Sophia, em 1906. O pai de Claire, Albert, dirigia a empresa de transporte marítimo familiar Feueheerds. Albert foi um verdadeiro pioneiro e foi um dos primeiros carregadores a fabricar o porto ‘Single Quinta’ a partir das uvas de La Rosa. Ele foi responsável por construir as vinhas do Vale do Inferno com algumas das muralhas mais altas e impressionantes do Douro. Ele também construiu uma adega com 8 lagares e começou a comprar uvas de produtores locais e a fazer o porto em La Rosa. Isso permitiu que Albert mantivesse a qualidade na produção. Neste momento, a maioria dos portos era feita por pequenos agricultores em seus próprios lagares.

Infelizmente, Albert teve dificuldades devido à Depressão e à empresa, Feueheerds, que foi vendida nos anos 30 para Barros. No entanto, a Quinta de la Rosa era mantida na família e era administrada pela avó de Sophia, Claire. Claire apenas cultivou uvas e as vendeu para a Crofts e, posteriormente, para entrar no porto Rebello Valente da Sandeman. Em 1988, Sophia e seu pai, Tim Bergqvist, decidiram reiniciar o negócio da família e lançaram a Quinta de la Rosa como uma produtora portuária de alta qualidade no mercado.

A partir do início dos anos 90, a família Bergqvist foi uma das pioneiras em levar a sério a produção de vinho tinto na região do Douro. Os vinhos da Quinta de la Rosa, tintos e brancos, ganharam muitos elogios na imprensa e são vendidos em muitos restaurantes e lojas de vinhos de prestígio em todo o mundo.

Medalha de Ouro Berlin Wine Trophy, Março 2019
95 pontos . Cellar selection Wine Enthusiast . Dezembro 2018
93 pontos . Wine Advocate . Outubro 2018
92 pontos . Wine Spectator . Janeiro 2019
17,5 pontos . Revista de Vinhos . Outubro 2018

Castas: Vinhas Velhas, Touriga Nacional, Touriga Franca e algum Sousão de “letra A”.

Provenientes dos mais antigos patamares da Quinta de la Rosa.
Todas as vinhas da Quinta de la Rosa estão em terroir de classificação máxima: A.

Como na maior parte da Europa, tivemos uma primavera muito fria e húmida e um início do verão antecipado. Os lençóis de agua foram em abundância fazendo com que muitas das nossas paredes em xisto cedessem (algumas delas chegaram mesmo a cair para a estrada do Pinhão). A floração foi adiada e tivemos de nos manter atentos para possíveis ataques de míldio. Um começo de ano molhado seguido de um verão quente e seco. Havia pouco vento, incomum para nós, por norma o vento só se levanta durante as tardes. Sem trovoadas e sem chuva até 12 / 13 de setembro. A vinha sustentou-se surpreendentemente bem, ajudada pela chuva da primavera. Apenas as vinhas mais jovens com sistemas radiculares menos
desenvolvidos sofreram mais.
A primavera fria e húmida significava que tudo estava atrasado em pelo menos duas semanas, de modo que só começamos a vindimar a sério na quarta-feira 21 de setembro, com a Touriga Nacional da Vinha Grande. Dias quentes (25C) mas noites frescas originaram as condições ideais para o amadurecimento da uva. Jorge teve que ter especial cuidado na escolha da uva exatamente por haver um amadurecimento desigual na vinha.
Apanhas pequenas, mas focadas, fomos capazes de escolher secção por secção. Como havia muita cor e estrutura das uvas, fomos cuidadosos para não extrair em demasia. Finalmente terminou a vindima, segunda-feira 10 de outubro (relativamente tarde) e foram dias de sorte, solarengos e sem chuva.

 

Peso 1.2 kg

Start typing and press Enter to search

Carrinho

Nenhum produto no carrinho.