Chryseia Tinto 2017 75cl

70,00

Chryseia 2017 foi feita com as melhores uvas do Vale do Douro de Prats & Symington vinhas, Quinta de Roriz e Quinta da Perdiz. Tal como acontece com todos os vinhos Chryseia anteriores, Quinta da Vila Velha, propriedade de James e Rupert Symington e que é vizinha da Quinta de Roriz, também contribuiu para a mistura. 2017 foi o segundo ano mais seco do Douro e sem dúvida o mais quente das últimas quatro décadas. Para o ciclo vegetativo das videiras, entre março e setembro, o déficit acumulado de chuvas em média 50%. O inverno seco e ameno foi seguido pelos três meses cruciais da primavera – março, Abril e maio – que foram cumulativamente 2,6 ° C mais quentes que a média. A falta de chuva não obstante, as castas regionais responderam com resiliência característica, ajustando cedo para as condições excepcionalmente secas que prevaleceram desde o início do ano. Sem surpresa, a precocidade do ciclo vegetativo do ano resultou na primeira safra de todos os tempos gravado; colheita a partir do dia 28 de agosto com a Tinta Roriz na Quinta de Roriz e Quinta de Perdiz, e terminou a 18 de Setembro em Roriz e a 20 em Perdiz, com a Touriga Franca e alguma Touriga Nacional. Felizmente, o calor diminuiu um pouco durante Setembro, especialmente as temperaturas noturnas, o que criou uma situação benéfica refletida na alta qualidade das uvas recebidas na adega. O resultado da vindima superou todas as expectativas. Nota de prova, Bruno Prats (outubro 2019): Cor intensa que reflete grande concentração. No nariz o carvalho está perfeitamente integrado e as notas florais da Touriga Nacional Combina bem com as notas mais balsâmicas da Touriga Franca. Um toque de chocolate o final. Na boca a estrutura é muito rica e longa. Os taninos são redondos e macios com elegância, mineralidade e frescura. O final é muito longo e aromático. Um bom vinho potencial de envelhecimento, equilibrando grande concentração com elegância e finesse. Álcool VARIEDADES DE UVA: 75% Touriga Nacional | 25% Touriga Franca

Categorias: , , ,

Património da Humanidade e uma das regiões vitivinícolas mais antigas do mundo, o vale do Douro é, sem dúvida, um dos terroirs mais marcantes da história da viticultura mundial .

Os grandes vinhos só podem existir se houver pessoas suficientemente afortunadas para os apreciar. Não há dúvida de que a aristocracia inglesa desempenhou um papel importante no desenvolvimento das vinhas do vinho do Porto, tal como aconteceu em Bordéus, nomeadamente com o Médoc Crus Classés.

Os vinhos do Douro, cultivados num clima inóspito sob um sol escaldante, com a sua baixa acidez e elevados teores de açúcares residuais, foram sempre difíceis de transportar. Foi por esta razão que a região inventou a fortificação, um processo que consiste na adição de aguardente ao vinho antes do final da fermentação, conferindo ao Porto o seu distinto equilíbrio álcool-açúcar, aliado a um notável potencial de envelhecimento . Além disso, o processo exige a extração rápida e enérgica dos taninos pelo método tradicional de pisa ou, nos anos mais recentes, por prensas mecânicas.

Enquanto se aperfeiçoava a arte de criar vinho do Porto, Bordéus – outra região com talento para saciar a sede dos ingleses – inventava a vinificação por meio de um processo de maceração prolongada, que permitia a extração gradual e suave dos taninos. Isso deu origem ao equilíbrio e à sutileza dos grandes Médocs.

A tentativa de aplicar os métodos de vinificação de Bordéus a uvas tradicionalmente destinadas à produção de Porto Vintage é a essência do emocionante projeto CHRYSEIA.

A família SYMINGTON pretendeu aliar o seu vasto conhecimento dos diferentes terroirs e castas do Douro à experiência de Bruno PRATS na região de Bordéus para que juntos pudessem produzir vinhos a partir das melhores uvas cultivadas nas melhores parcelas das melhores quintas, na verdade Espírito bordeaux.

Andrew James Symington estabeleceu-se pela primeira vez na cidade do Porto em 1882. Rapidamente tornou-se expedidor de vinho do Porto e em 1914 assumiu o controlo da Warre’s. Os descendentes dos seus três filhos são hoje proprietários dos Warre’s, Dow’s e Graham’s, para além de inúmeras propriedades onde se encontram algumas das melhores do Cima Corgo. As explorações de vinha da família no Douro já ultrapassam os 900 hectares. Charles Symington é o responsável pelas vinhas, vinificação e gestão da produção, enquanto Rupert, Paul, John e Dominic viajam por todo o mundo partilhando a magia e os segredos dos seus vinhos.

Após a venda do Château Cos d’Estournel que administrava por trinta anos, Bruno Prats transferiu suas atividades vitivinícolas para a Viña Aquitania no Chile, onde estabeleceu uma parceria com Paul Pontallier, Ghislain de Montgolfier e Felipe de Solminihac, e para a Anwilka na África do Sul, em parceria com Lowell Jooste e Hubert de Bouard de Laforest. A amizade entre Bruno Prats e a família Symington desenvolveu-se através da rede vinícola familiar Primum Familiae Vini, da qual Cos d’Estournel também pertencia.

Em Novembro de 1998, a família Symington propôs que Bruno Prats participasse num novo projecto de produção de um vinho do Douro não fortificado de primeira qualidade. Essa proposta tomou forma em 1999 com a criação da PRATS & SYMINGTON Limitada como uma parceria igualitária entre as duas famílias. A produção experimental neste primeiro ano permitiu a seleção dos melhores lotes e das castas mais adequadas para o projeto. O CHRYSEIA 2000 foi o primeiro vintage a ser lançado.

Peso 1.4 kg

Start typing and press Enter to search

Carrinho

Nenhum produto no carrinho.